.




Foto: Divulgação
                            
.
.

Moradores processam vizinhos fofoqueiros e ganham indenizações em dinheiro


Sexta-feira, 5 de maio de 2017    As 09:38

Moradores do interior do Ceará estão ganhando dinheiro processando vizinhos após serem vitimas de fofocas. Os processos por calunia, injuria e difamação estão crescendo no Estado principalmente em cidades pequenas. "Com o dinheiro da indenização eu reformei minha casa, comprei uma moto e estou nos planos de fazer uma viaje no final do ano", diz uma moradora.
.
. .
. .
. .

"Em cidade pequena, o povo fala muito da vida dos outros, xinga e inventa histórias. Quem se sentir humilhado pode entrar com ação na justiça receber indenização em dinheiro", diz especialista em direito civil. Segundo o especialista, a difamação é espalhar boatos que a seu respeito de alguém. Por exemplo quando um vizinho espalha que "você traiu o marido", ou "fica com todo macho de esquina",  etc. Quem não espalha a fofoca, embora não tenha inventado, comete o crime de difamação também porque espalhou um boato difamatorio a seu respeito.

O advogado explica que é muito fácil pedir indenização. "Para pedir a indenização, basta pedir para um advogado entrar na justiça cobrando reparação de danos morais", diz. Há ainda a injuria que é todo tipo de humilhação que reduza a pessoa em situação de inferioridade como por exemplo chamar de "vagabundo", "corno", "rapariga", "baleia", etc.
"Injuriar alguém, significa colocar em uma pessoa uma condição de inferioridade, pois ataca de forma direta seus próprios atributos pessoais. Mesmo que outras pessoas não tenham ouvido os xingamentos, as ofensas configuram o crime de injúria", diz o advogado.

O pior de tipo de fofoca e mais grave é a calunia, que significa atribuir a alguém algo tido como crime. "Por exemplo quando alguém diz que você é ladrão, assassino, estuprador, etc. A calunia é um tipo de fofoca muito grave porque significa espalhar que alguém é um criminoso sem a pessoa ser", diz o advogado. 

.

Compartilhar no Facebook
......
.




.
.





.
.






.
.





.
.






.
.






.
.







.
.





.
.






.
.







.
.







.
.





.
.






.
.






.
.









.
.