.




Foto: Divulgação
                            
.
.

Novela exibe 'história de amor' entre uma mulher e uma criança; 'menino se apaixonou'


Quinta-feira, 3 de agosto de 2017   As 09:38

Uma novela na India mostra uma história de amor entre uma criança e uma mulher. O nome da novela é "Pehredaar piya ki" ("A guarda do marido", em tradução livre). A história começa com o jovem príncipe Ratan Kunwar, herdeiro de uma rica família real, se apaixonando à primeira vista pela jovem Diya. Ela é bem mais velha que Ratan, que é uma criança de 9 anos.
.
. .
. .
. .

Ele a segue, tira fotos dela e eles desenvolvem uma amizade - e Ratan não deixa escapar oportunidades para dizer que quer casar com ela. Em uma ocasião, Diya salva a vida de Ratan quando ele acidentalmente escorrega, e promete: "Não vou deixar nenhum mal chegar até você". A promessa dela é música para os ouvidos dos pais da criança, que são paranoicos quanto aos perigos que o menino corre diante de parentes mal intencionados. Diya vira uma espécie de guarda-costas do garoto.

A paranoia dos pais tem, no entanto, um fundamento - o palácio é um local de intrigas e, quando os parentes têm a chance, matam a mãe de Ratan e ferem gravemente o seu pai. Em seu leito de morte, o pai tira de Diya a promessa de casar com o menino porque "ela é a única que pode protegê-lo".

Na Índia, as crianças são criadas desde pequenas com a ideia de que todos devem se casar um dia - e é normal ver pequenas meninas e meninos dizendo que gostariam de se casar com seus pais ou outros parentes quando forem maiores.

Em uma das cenas "uma criança é vista acariciando, acossando e tendo uma relação de natureza sexual com uma moça que tem mais do que o dobro de sua idade. O jovem casal fala sobre ir em uma lua de mel. Há conversa sobre suhaag raat [consumação do casamento].

A novela tem feito polêmica na India, onde o casamento infantil, apesar de proibido, ainda é prática comum em várias partes do país.
.

Compartilhar no Facebook
......
.




.
.





.
.






.
.





.
.






.
.






.
.







.
.





.
.






.
.







.
.







.
.





.
.






.
.






.
.









.
.