.




Foto: Divulgação
                            
.
.

Homem que não pagava pensão mata os filhos e tenta suicídio


Sábado, 9 de março de 2019
  As 09:38

Nesta segunda-feira (4), Mario Eduardo Paulino atirou na cabeça dos seus dois filhos, de 6 e 9 anos. Lucas Silva Paulino e Mariah Eduarda Silva Paulino morreram na hora. Depois de matar os filhos, o homem de 48 anos apontou a arma para a própria cabeça e puxou o gatilho. Ao contrário das crianças, Mario não morreu imediatamente. O crime aconteceu na Zona Leste de São Paulo. 
.
. .
. .
. .

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP), Mario foi socorrido e levado ferido a um hospital em São Mateus. Ele ficou internado em estado grave até a última terça-feira (5), mas não resistiu aos ferimentos. O primeiro a chegar na cena do crime foi o sobrinho de Mário, que morava com o tio na mesma casa. Ele contou à polícia que viu as crianças pela última vez antes de sair para trabalhar.

Quando voltou do serviço, o rapaz falou que o portão do imóvel estava com um cadeado diferente, que o obrigou a pular o muro da vizinha para entrar na residência. Dentro da casa, ele disse que encontrou Lucas e Mariah mortos com ferimentos na cabeça. Cada um estava num quarto. Em seguida viu Mario no sofá, com machucado também na cabeça e uma arma na mão, um revólver calibre 32.

Familiares afirmam que Mario havia se separado da mãe das crianças há 3 anos e tinha guarda compartilhada. Havia um processo na Justiça que cobrava a pensão que o pai não pagava há meses. As circunstâncias e eventuais responsabilidades pelo crime são investigadas pela Polícia Civil. O caso foi registrado como duplo homicídio seguido de suicídio.

O enterro das crianças aconteceu na manhã da última quarta-feira (06), em Santo André, cidade onde o filho mais velho, Lucas Silva Paulino, e a caçula, Mariah Eduarda Silva Paulino, moravam com os avós e a mãe. 

.

Compartilhar no Facebook
......
.




.
.





.
.






.
.





.
.






.
.






.
.







.
.





.
.






.
.







.
.







.
.





.
.






.
.






.
.









.
.