Economia REVOLTA NA INTERNET

Bolsonaro reduz pela metade valor do auxilio emergencial

Na redes sociais, os beneficiários do auxílio emergencial demonstraram revolta sobre a desigualdade no recebimento da renda do governo.

17/09/2020 12h40 Atualizada há 3 semanas
Por: Itatira NEWS

O presidente Jair Messias Bolsonaro reduziu pela metade o valor do auxilio emergencial. Quem recebia 600 reais, por exemplo, começou a partir desta quinta-feira (17) somente 300 reais. Mesmo com varias pessoas ainda desempregadas procurando emprego, a redução no auxilio ocorreu. Bolsonaro também anunciou que muitas pessoas que vinham recebendo os 600 reais não vão receber as parcelas de 300 reais. Bolsonaro também acabou o Renda Brasil, que seria um substituto do Bolsa Familia. Parte dos beneficiários do auxílio emergencial  não receberá todas as nove parcelas do governo – cinco de R$ 600 e quatro de R$ 300. Apenas o grupo que faz parte do Ciclo 1, os primeiros a se inscrever no auxílio, vão receber todas as parcelas. O salário do presidente, assessores, deputados, senadores e ministros do governo não sofreu alteração e eles continuam recebendo em dia.

“Serão pagas até quatro parcelas do novo valor. Contudo, o benefício acaba em dezembro deste ano, ou seja, quem começou a receber o auxílio emergencial em abril, terá direito às quatro parcelas. Quem passou a receber a partir de julho, por exemplo, terá direito a apenas uma parcela do novo benefício, que será paga no mês de dezembro ”, disse o Ministério da Cidadania, na nota. Nos últimos meses, por coletivas de imprensa, o presidente da Caixa Econômica Federal instruía o público a fazer a inscrição no auxílio até o dia 2 de julho, data em que as inscrições se encerraram. Pedro Guimarães dizia que todos os beneficiários receberiam todas as parcelas, independentemente da data de entrada no programa. Mas a promessa foi descumprida pelo governo com a Medida Provisória da prorrogação de R$ 300. Na redes sociais, os beneficiários do auxílio emergencial demonstraram revolta sobre a desigualdade no recebimento da renda do governo. Isso porque quem começou a receber o auxílio logo no início do programa terá, ao todo, um amparo financeiro maior pelo governo federal do que o resto dos beneficiários.