Itatira AGLOMERAÇÕES

“O vírus da Covid só ta aqui no meu ponto?”, questiona dono de clube em Itatira

O AWA Clube é um dos principais points de entretenimento da cidade de Lagoa do Mato, sendo uma das opções noturnas preferidas dos itatirenses

10/11/2020 10h08 Atualizada há 4 dias
Por: Itatira NEWS

O proprietário do AWA Clube, na comunidade de São Joaquim, na periferia do distrito de Lagoa do Mato, em Itatira, fez um vídeo nas redes sociais em que reclama que está impedido de realizar eventos, enquanto que vaquejadas ocorrem normalmente com grande aglomeração de pessoas. O AWA Clube é um dos principais points de entretenimento da cidade de Lagoa do Mato, sendo uma das opções noturnas preferidas dos itatirenses, mas está proibido de realizar eventos desde o inicio da pandemia por conta dos decretos que proíbem aglomerações de pessoas. Antonio Nenem, que o proprietário do local, fez um desabafo em seu perfil no Facebook em que diz que responde a um processo porque descumpriu a determinação de não gerar aglomeração enquanto que outros eventos estão ocorrendo normalmente reunindo multidões de pessoas. “É de revoltar. O vírus da Covid só ta aqui no meu ponto é?”, disse o empresário. 

“O vírus só tem aqui no São Joaquim é? Porque eu vou dizer uma coisa é de lascar. Eu fiz um evento um tempo desse foi por necessidade humana. Passei seis meses sem pegar em um centavo. Fiz um evento aqui. O que aconteceu? Fui parar no Canindé e vou responder judicialmente", disse. "Eu não sou bandido não. Eu sou cidadão de Itatira. Procure meu nome se eu sou bandido, eu não sou não. Agora é interessante porque estas vaquejadas que existem ai. Vaquejada que eu sei é que eu eles davam autorizado a fazer evento pra 100 pessoas. Mas tinha mais de mil pessoas. Agora eu acho muito sacanagem. A lei só valer pra mim, porque não vale para os outros? Minha revolta”

“É só um negócio que tou chateado pra caramba. A policia diz que não pode. Ministério Público diz que não pode. Essa moça da vigilância sanitária diz que não pode. Como é que toda semana, sexta, sábado. Toda semana tem vaquejada, tem paredão em todo canto. Ninguém toma providência nenhuma. Quer dizer se eu fizer um evento aqui vou ser processado. É de revoltar”, disse o empresário. “O vírus da Covid só ta aqui no meu ponto é?”, questionou. Bastante querido pelos jovens, o empresário recebeu apoio de dezenas de internautas. “Isso é injusto se você não poder da festa e os outros também não. Eu vi o vídeo da vaquejada era muita gente”, disse um internauta. “Você está de parabéns meu amigo. Tem que falar mesmo as orientações é pra ser aplicado a todos”, disse outro internauta.

O Itatira NEWS entrou em contato com a Vigilância Sanitária de Itatira e com a secretária de saúde do município para comentar as declarações do proprietário do AWA Clube ditas em vídeo pelo empresário. Priscila Alves, da Vigilância Sanitária, respondeu ao Itatira NEWS afirmando que o organizador da vaquejada vai responder na justiça também por infringir a lei. “A única coisa que tenho a dizer é que dá mesma forma que o senhor Antônio Neném infligiu a lei e tá tendo que responder na justiça, a pessoa que fez esse evento (que de acordo com o decreto estadual é permitido seguindo de alguns protocolos) vai responder na justiça por não adotar os protocolos exigidos. O ROP foi feito e já foi encaminhado”, disse Priscila. "Eu entendo a revolta do senhor Antônio Neném, mas do mesmo jeito que quando ele infligiu a lei nós não paramos o evento dele, mas foi feito o ROP e hoje ele responde criminalmente, do mesmo jeito vai ser com quem infligir a lei", acrescentou Priscila. Ate o fechamento desta reportagem a Secretaria de Saúde do município não havia respondido ao Itatira NEWS.