Urbano & Sociedade DESCASO

Caixões e restos mortais são jogados fora de cemitério em Itatira

A situação está assim porque não há mais espaços para os túmulos novos devido a superlotação no cemitério.

20/02/2014 11h09
Por: Itatira NEWS

O retrato do desrespeito: túmulos violados, restos mortais jogados no chão. Este é o cemitério do distrito de Lagoa do Mato, no municipio de Itatira. Os moradores denunciam um cenário de abandono. O lixo oriundo do cemitério está espalhado por todo o lado de fora do cemitério e dezenas de sepulturas foram quebradas. A prefeitura de Itatira reconhece que a situação do cemitério esta no limite e que estuda implantar um novo cemitério em outra área. Em outro lado do cemitério, é possível encontrar caixões quebrados, crânio humanos, e vários outros ossos. Um grande lixão a céu aberto, nos fundos do cemitério, é usado para armazenar os ossos e os materiais retirados do cemitério. Apesar da destruição, o cemitério está funcionando normalmente. Segundo os administradores do cemitério, a situação está assim porque não há mais espaços para os túmulos novos devido a superlotação no cemitério.

Com isso, os familiares estão jogando fora os túmulos antigos e substituindo pelos mais novos. Os moradores próximos ao cemiterio reclamam da falta de respeito a memória dos entes queridos e da poluição causada pelos restos mortais nas proximidades da casa dos moradores. Para especialistas, é preciso verificar se o cemitério possui licença ambiental. "Mesmo que haja uma licença ambiental, a situação do cemitério de Itatira está provocando crimes ambientais de poluição uma vez que os restos mortais estão em contato com o solo indo direto para o lençol freático", dizem especialistas. "É uma situação caótica. O ideal seria a prefeitura fazer uma licitação para a cremação das ossadas deixadas no local", dizem especialistas. O grande acumulo de covas e jazigos no cemitério está provocando uma superlotação no espaço destinado a enterrar os entes queridos.

Com a falta de espaços para novos túmulos, os familiares estão substituindo os tumulos antigos por novos, jogando os restos mortais, os caixões no lado do muro do cemitério dentro de um terreno baldio e próximo a casa dos moradores. Junto aos muros do cemitério existem uma grande quantidade de acumulo de terra jogado do cemitério. É possível encontrar uma grande quantidade de ossos, crânio humano, além de restos de caixões, flores e material utilizado para enterrar os mortos. Violar os túmulos é crime de profanação aos mortos, de acordo com o artigo 210 do Código Penal, que prever pena de 1 a 3 anos de prisão e multa. Em outro lado do cemitério, é possível encontrar caixões quebrados, crânio humanos, e vários outros ossos. Um grande lixão a céu aberto, nos fundos do cemitério, é usado para armazenar os ossos e os materiais retirados do cemitério. Apesar da destruição, o cemitério está funcionando normalmente. Segundo os administradores do cemitério, a situação está assim porque não há mais espaços para os túmulos novos devido a superlotação no cemitério. Com isso, os familiares estão jogando fora os túmulos antigos e substituindo pelos mais novos. Os moradores próximos ao cemiterio reclamam da falta de respeito a memória dos entes queridos e da poluição causada pelos restos mortais nas proximidades da casa dos moradores.