Regional ItatiraNEWS.com

Jovens de Itatira no corte de cana relatam saudade do municipio

"É tão triste ter que deixar tudo isso para ir para um lugar distante”, disse um jovem

04/05/2021 12h49 Atualizada há 3 semanas
Por: Itatira NEWS

Muitos moradores de Itatira deixam o município para trabalhar no corte de cana devido a falta de empregos em sua terra natal. “Amo Itatira, minha família e meus amigos. É tão triste ter que deixar tudo isso para ir para um lugar distante”, disse um jovem que recentemente deve que abandonar o municipio para ir para o corte de cana em São Paulo. “A vida aqui é dura”, diz um rapaz. O trabalho de colheita manual da cana-de-açúcar é, certamente, uma das atividades mais árduas do meio rural. Em tal expediente de produção, cada trabalhador é responsável por um conjunto de linhas paralelas de cana plantada conhecidas como "eito", formadoras do talhão de cana.

Nesse conjunto de linhas o trabalhador atua cortando as touceiras de cana e avançando para dentro do talhão. “A gente gosta porque recebe em dia. A empresa paga o transporte de ida e de volta. Quando volto sempre trago dinheiro para minha família. Mas trabalhar dessa forma é muito duro. Talvez se eu tivesse estudado e feito uma faculdade não estaria aqui”, diz o rapaz. O trabalho consiste em abraçar certo número de canas de forma a separá-las das demais e golpear, rente ao solo, a base deste conjunto com um facão afiado denominado podão. Em seguida, cortam-se as pontas e carrega-se este material para a linha central do "eito", dispondo-as em montes como forma de facilitar a operação das máquinas carregadeiras. “A saudade de casa é muito grande. Espero que um dia isso de ter que abandonar Itatira para ir trabalhar em outra cidade acabe. Sonho com um dia meu municipio tendo emprego”, diz o jovem.

Um trabalhador que corte 12 toneladas em um dia, caminha, nesse dia de trabalho, 8.800 metros, despende 133.332 golpes de podão e carrega as 12 toneladas de cana em montes de 15 kg. Para isso, tal trabalhador realiza 800 trajetos e 800 flexões, levando 15 kg nos braços por uma distância de 1,5 a 3 metros. Faz, também, aproximadamente 36.630 flexões e entorses torácicos para golpear a cana e perde, em média, 8 litros de água por dia. Em virtude dessa exigência física intensa, o trabalho canavieiro gera uma série de limitações e debilitações na saúde dos trabalhadores rurais.

A pesada carga laboral dos cortadores de cana tem entre suas motivações a postura física exigida para o corte, o uso de ferramentas perigosas, a realização de atividades repetitivas e desgastantes e o transporte de material excessivamente pesado. Tais gravames são, ainda, reforçados por condições ambientais danosas como exposição prolongada ao sol e intempéries, descargas atmosféricas e poluição do ar. "O trabalho é duro. Mas ainda bem que tem o corte de cana para a gente ir. Senão a situação era muito pior pois não teria como sustentar minha familia, minha mulher e meu filho", diz o rapaz.