ItatiraNEWS.com

Rapaz é preso, estuprado na cadeia e policia depois descobre que ele era inocente

Ele foi acusado de estuprar uma menina de 9 anos. Rapaz dizia que, na noite do crime, estava em outro bairro da cidade, mas não adiantou.

19/04/2016 07h13 Atualizada há 1 mês
Por: Itatira NEWS

O ajudante de pedreiro Heberson Oliveira foi acusado de entrar na casa de vizinhos na periferia de Manaus, arrastar uma criança para o quintal e estuprá-la enquanto os pais dormiam. A vítima, uma menina de 9 anos. Heberson dizia que, na noite do crime, estava em outro bairro da cidade. Em vão. Ninguém acreditou. Ele foi preso, xingado por outros moradores e estuprado de forma sistemática por outros presos dentro da cela. Contraiu o vírus HIV devido aos estupros que sofreu no presidio e entrou em depressão profunda. De 2003 a 2006, Heberson viveu um inferno dentro da Unidade prisional. Ele sofreu a “tradicional” punição aplicada à maioria dos acusados de estupro dentro sistema penitenciário amazonense: a violência sexual brutal. Lá aguardou julgamento por quase três anos jurando inocência.

A mãe chegou a ser hospitalizada ao receber a notícia. “Ele não seria capaz de uma coisa dessas”. Ninguem também acreditava no que a mãe dele dizia. Atrás das grades, o rapaz sem antecedentes criminais assistiu a rebeliões, entrou em depressão, foi abusado sexualmente e contraiu o vírus da Aids. Até que a defensora pública Ilmair Siqueira assumiu o caso. Ela percebeu que embora a descrição do suspeito divergisse das características físicas de Heberson, ele foi para a cadeia. Segundo a defensora pública que comprovou a inocência de Heberson, Ilmair Siqueira, as características físicas do estuprador e as de Heberson divergiam muito. “Esse é um dos elementos que me faz acreditar que houve um grave erro”, diz.

A defensora publica percebeu ainda que havia uma rixa entre Heberson e o pai da menina estuprada e que ele teria sido acusado por conta dessa desavença”, afirma a defensora publica. Ela alertou a justiça dos erros. Se descobriu depois que o pai da vítima acusou Heberson porque teria tido um desentendimento com ele e queria se vingar do rapaz. A delegada pediu a prisão baseada na indicação do pai, mas a investigação feita depois apontou que outro homem cometeu o crime. As características do acusado eram outras. Heberson, acabou contraindo o virus da Aids - que não tem cura.